Ângelo leva tampa na Jordânia e sai de”fininho”

Ator está em viagem após meses de recuperação de problema de saúde que quase lhe amputou a perna. Em viagem, recorre às redes sociais para dar conta do que se passa aos seguidores e na Jordânia deu conta de uma grande tampa que levou…

À minha frente estão sentadas quatro mulheres parcialmente cobertas por um véu. Sorriem alegres enquanto poluem o ar com névoas de fumo. Estão a fumar shisha, ou “argilah” como aqui lhe chamam. Curioso que, no imaginário ocidental, as olhemos como matrioskas aprisionadas numa cultura exclusivamente patriarcal. Penso na raíz do meu preconceito e todo o meu raciocínio converge numa só palavra: ignorância”, escreveu.

 

Três miúdas, parcialmente tapadas, perguntaram-me se tinha Instagram. Uma delas diz que é fotógrafa e pergunta-me se é possível fazer-me alguns retratos. Aceito. Resultado: 6 minutos de puro constrangimento meu, ao acatar algumas indicações enquanto ela balbuciava alguns monossílabos em inglês“.

 

Ver esta publicação no Instagram

(1/2) À minha frente estão sentadas quatro mulheres parcialmente cobertas por um véu. Sorriem alegres enquanto poluem o ar com névoas de fumo. Estão a fumar shisha, ou “argilah” como aqui lhe chamam. O mundo pausa quando sopram aquela mistura de tabaco com sabor. – Escrevo-vos do Jafra Cafe, um lugar onde locais se reúnem em tertúlias animadas. Devo ser o único forasteiro aqui. A quantidade de mulheres sorridentes contrasta com a negritude das suas vestes. – Curioso que, no imaginário ocidental, as olhemos como matrioskas aprisionadas numa cultura exclusivamente patriarcal. Penso na raíz do meu preconceito e todo o meu raciocínio converge numa só palavra: ignorância. – Aqui as regras são diferentes: as mais velhas cobrem o rosto compenetrado como se estivessem a esconder-me um segredo, mas as mais novas parecem questionar as convenções. – Vim agora mesmo do Duke’s Diwan, um prédio centenário no coração de Amman onde poetas, artistas e pensadores se reuniam antigamente. Ali é possível sentir a idade dos livros pelo cheiro. – Estava imerso nos meus pensamentos quando senti uma certa agitação. Três miúdas, parcialmente tapadas, perguntaram-me se tinha Instagram. Reviro os olhos por dentro porque adivinho os próximos minutos. Cria-se um desnível imediato na nossa interação ao observar um infundado entusiasmo nelas com o meu perfil. Uma delas diz que é fotógrafa e pergunta-me se é possível fazer-me alguns retratos. Aceito. Resultado: 6 minutos de puro constrangimento meu, ao acatar algumas indicações enquanto ela balbuciava alguns monossílabos em inglês. – Peço no final para se sentarem ao mesmo lado e selarmos aquele encontro com uma fotografia. Sinto que a expressão delas endurece quando se entreolham. Dizem-me que apenas podem tirar fotos com parentes e que um registo publicado comigo poderia ser ofensivo para a família delas. Engoli em seco e despedi-me. – Apesar de toda esta jovialidade aparentemente inconsequente, há valores enraizados que as colocam ainda a anos luz de valores de género igualitários. No entanto, senti aqui um vislumbre do futuro. Sei que as coisas mudarão. Lentamente, mas mudarão. _ #travel #wanderlust #backpacker #solotravel #jordan

Uma publicação partilhada por ᴬᴺᴳᴱᴸᴼ ᴿᴼᴰᴿᴵᴳᵁᴱˢ (@angelorodrigues_oficial) a

Deixe um comentário